Uma reflexão sobre o futebol feminino e a participação do Brasil na Copa do Mundo da França

25 Jun
2019
Categorias: Todos, Artigos

seleo-feminina.jpg

Por: Luiz Henrique Nuñez de Oliveira - CEO

O Brasil encerrou sua participação na Copa do Mundo Feminina. Perdeu, como já era de certa forma esperado, para as donas da casa nas oitavas de final. A seleção francesa é uma das favoritas ao título, jogam em casa e a equipe tem como base o Lyon, time que já venceu o campeonato europeu feminino 6 vezes.

A derrota, como disse, é normal, uma vez que as europeias, assim como as australianas e as americanas, têm investimentos muito maiores nesta modalidade. 

Mas não podemos deixar de perguntar: Porque o Brasil, o país do futebol, que tem a maior jogadora do mundo, vencedora de 6 Bolas de Ouro, a maior goleadora de Copas do Mundo, uma geração que conta ainda com Formiga, Christiane, entre outras, nunca venceu uma Copa ou uma Olimpíada?

O depoimento da Marta, ao final do jogo, foi excepcional. Desta vez com menos choro e com um recado muito forte, inclusive para colegas e para as novas gerações. Que tipo de futebol feminino queremos no Brasil? Que tipo de jogadoras queremos no futuro? Que tipo de comprometimento com desempenho e resultados queremos?

Se não queremos muita coisa é fácil – Seguimos como está!

Se quisermos algo diferente, para muito melhor, precisamos encarar de frente este desafio. Ou como disse a Marta: Vamos todos chorar antes para podermos sorrir depois.

Os clubes que aderiram ao Profut, dependendo da Série que estão e/ou da competição que disputam, ou disputarão, estão, ou estarão, obrigados a ter o futebol feminino como uma de suas modalidades. Novamente uma pergunta: Queremos apenas cumprir a Lei ou queremos ter futebol feminino para valer?

Se optarmos pela segunda opção, muito deve ser feito. Devemos investir nas melhores práticas, para gerirmos esta modalidade. Deve haver a mesma intenção de profissionalização que buscamos para o masculino. Devemos investir em estrutura e dar às nossas profissionais, condições para se desenvolverem como atletas e de viverem bem, como profissionais deste esporte. Só assim, iremos atrair interesse de todos os envolvidos: patrocinadores, investidores, televisão, torcedores, profissionais do mercado esportivo e demais stakeholders. 

Não podemos, igualmente, esquecer da formação. Sejam de atletas nas bases, como de dirigentes e demais profissionais. O caminho é longo, mas parece claro e óbvio. Também é a única forma de termos uma modalidade autossustentável e não um “peso” para as finanças dos clubes. Bem feito, pode até ser boa fonte de novas receitas.

Pensando no que disse nossa capitã, talvez não seja preciso chorar, mas é preciso saber o que queremos. Se é sorrir ao fim das grandes competições, vamos arregaçar as mangas e fazer o necessário.

Projetos Sociais Esportivos: rumo a profissionalização e a qualificação!

Estamos passando da fase onde é necessário que todos desenvolvam projetos para a fase em que é necessário que todos desenvolvam bons projetos!

Saber +

Desenvolvimento do Potencial Humano – Um modelo corporativo

Um clube de futebol é uma empresa (uma grande empresa) e como tal, todo o seu modelo de gestão deverá ser sustentado num plano estratégico, em objetivos e resultados. Porém, tudo isto só se conseguirá, unicamente, através das pessoas.

Saber +
Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização Está a usar um navegador desatualizado. Por favor, actualize o seu navegador para melhorar a sua experiência de navegação.